ZDB

Música
Concertos

Giovanni Di Domenico “Insalata Statica” ⟡ Montanhas Azuis

Sáb03.02.1822:00
Galeria Zé dos Bois
© Vera Marmelo

Giovanni Di Domenico

Músico com uma relação de cumplicidade já bem enraizada com este país, através de presenças e colaborações e de onde surge Norberto Lobo enquanto eixo particularmente forte, Giovanni Di Domenico faz-se rodear de oito músicos para apresentar no Aquário aquele que é o passo solitário mais ambicioso e afirmativo de um mosaico fértil em acontecimentos, colaborações e explorações destemidas e de valência. Pianista, performer e compositor cuja discografia remonta ao final da década passada e que se abre por entre o jazz, a improvisação livre, minimalismo, drone e demais matéria que habita nas fendas entre géneros e que tem servido de bússola para a sua editora Silent Water e encontros com gente como Jim O’Rourke, Tetuzi Akyiama, Tatsuhisa Yamamoto ou Manuel Mota.

Assumindo a gravação de quase todos os instrumentos, Di Domenico partiu de uma suite de seis partes distintas para as reordenar no fluxo contínuo desta longa ‘Insalata Statica’. Gestalt cuja lógica interna é alinhada pelo piano e se vai transmutando num caleidoscópio de sopros, percussões, guitarras ou electrónica não completamente distante do monumento ‘The Visitor’ do Jim O’Rourke, e retrocedendo a ‘Bad Timing’ e, em movimento tangente, aos enredos sonhadores dos Stereolab nos seus momentos mais expansivos – Blue Milk, Refractions in the Plastic Pulse, etc – e devedores da hipnose percussiva do Steve Reich captados no espaço harmónico da ECM. Cinco anos de gravação, overdubbing e edição, a acolher linguagens e dinâmicas para um álbum com tanto de acolhedor quanto de imprevisível, afoito ao rigor austero do composição mais rígida, flutua celeste numa aquasidade que aqui se revela na sua maior imensidão. BS

violino, trompete Ananta Roosens harpa Vera Cavallin clarinetes Jordi Grognard euphonium Niels Van Heertum guitarra eléctrica Miquel Casaponsa baixo eléctrico, guitarra eléctrica Laurens Smet bateria e percurssão bateria e percurssão Joao Lobo piano, fender rhodes piano, fender rhodes Giovanni Di Domenico

Montanhas Azuis (Norberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas)

Fruto de uma cumplicidade que já vem sendo trabalhada pontualmente há alguns anos e que teve em sintonia em três concertos neste mesmo espaço aquando da residência de Norberto Lobo, Montanhas Azuis é o nome deste duo que junta o celebrado guitarrista ao múltiplo baterista Marco Franco. Duas figuras com um papel transversal a muita da música que tem vindo a iluminar a capital, espelhando uma multiplicidade de referências e linguagens que vão do rock, ao jazz, ao improviso e à serenidade das coisas belas ainda sem nome. Para esta noite e ao abrigo deste nome, Lobo e Franco fazem-se acompanhar por Bruno Pernadas, nome igualmente notável no cruzamento de histórias da música popular – o caleidoscópio pop, jazz, space age onírico dos seus álbuns é revelador disso mesmo – numa pirâmide que nos deixa muito ansiosos com o que se irá passar.

Próximos Eventos

aceito
Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.