ZDB

Música
Concertos

HTRK ⟡ YL Hooi

Qui23.06.2222:00
Igreja St. George


© Josh Hourigan

HTRK

Nascidos no fervor rock do início do século, os HTRK (lê-se “Hate Rock”) surgiam em 2003, vindos de Melbourne, Austrália, com aquela saborosa adopção da ausência de limites da no wave que muitas bandas se inspiraram na altura. Eram noise, rock, industrial, mas eram, sobretudo, uma banda desligada e despida de géneros para se ocupar da utilidade do som enquanto ferramenta de comunicação. Em 2010, o suicídio do baixista Sean Stewart deixou os dois restantes membros, Jonnine Standish e Nigel Yang, desamparados.

Desde então, têm andado a tatear o seu som. Não como um processo de descoberta, mas de cura, de como ocupar o vazio e localizar a intensidade. Naturalmente foram desacelerando, encontrando formas de construir e edificar melodias em canções onde cabem os Fleetwood Mac, Galaxie 500 e os Low de “I Could Live In Hope”. Contudo, as referências são para situar, o som actual dos HTRK não se resume a isso, em parte porque as sensações que se ouvem na voz de Jonnine são frequentemente imprevisíveis enquanto a guitarra de Nigel Yang levita pelas sombras. A evolução ao longo da última década levou-os até aí, comprovado por dois brilhantes álbuns, “Venus In Leo” (Ghostly International) e “Rhinestones” (N&J Blueberries), uma das melhores realizações em tempos recentes sobre o não saber acordar.

Chegar aqui é obra. Desde que são um duo, os HTRK foram cortando os excessos ao seu som e reduzindo a criação das suas melodias ao essencial. Ao fazê-lo, expuseram a voz de Jonnine a um reencontro com a 4AD dos 1980s, sem o supérfluo da produção, apenas a real ideia de uma constante solidão. A guitarra de Yang protege-a, nunca soando frágil ou vulnerável, apenas a algo que existe como é, soa ao que tem de soar. Ao tornarem-se progressiva e conscientemente mais despidos, os HTRK ficaram resistentes, protegidos e donos de uma sensibilidade que escasseia nos meios rock/guitarra do presente. Ouvi-los com “Rhinestones” na bagagem é um privilégio. AS

YL Hooi

YL Hooi é o projecto de Valya Ying-Li Hooi, habitando um subtil e misterioso reino de canção furtiva, percussão electrónica esparsa, e ventos distantes. Activa na cena underground de Melbourne desde 2017, Hooi é membro de Kallista Kult (com Sam Karmel e Tarquin Manek) e gravou e actuou com artistas como Jonnine Standish (HTRK), Jarrod Zlatic (Diamantes Fabulosos) e Rohan Rebeiro (Meu Discoteca). O álbum de estreia ‘Untitled’ (lançado, pela primeira vez, em cassete pela Altered States Tapes, em 2019, e reeditado em LP pela Efficient Space em 2021) foi amplamente elogiado, encontrando um lugar em muitas listas de fim de ano, incluindo o número 1 da Boomkat’s Discoveries List, sendo descrito como “uma concepção imaculadamente desgastada de dubwise dream-pop“.

Passando da canção angelical para o gunk de fita adesiva, o trabalho de Hooi abre-se a uma multiplicidade de géneros e direcções, mantendo, ao mesmo tempo, um carimbo pessoal através das suas tácticas de produção de dubs obsessivamente zonados. Estas são canções que parecem emergir em plumas de fumo, truques mágicos invocados a partir do éter” (Mundo do Eco).

Tanto ao vivo como no estúdio, o trabalho de Hooi é produzido em estreita colaboração com Tarquin Manek (conhecido pelo seu trabalho a solo homónimo sobre Blackest Ever Black, bem como uma faixa de pseudónimos, incluindo LST e Static Cleaner Lost Reward, e a participação em grupos incluindo Kallista Kult e F ingers).

Ao vivo, a dupla utiliza voz, trompete, clarinete baixo, guitarra, baixo, bateria e sintetizadores para reimaginar o material de estúdio, atenta às possibilidades de improvisação e às vicissitudes do público, do local e do espaço acústico. Tocando nas franjas de muitos géneros e tradições – pós-punk, sintetizador mínimo, dub, krautrock – a música proteana de Hooi é assombrada e sedutora, a sua voz arrasta-se por um eco infinito ancorado em fundações que agitam o corpo.

Próximos Eventos

aceito
Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.