ZDB

Artes Performativas
Teatro

Real Dog

— Solange Freitas

Qua04.07.1821:30
Qui05.07.1821:30
Sex06.07.1821:30
Sáb07.07.1821:30
NEGÓCIO

Um dos resultados menos visíveis do trabalho que o NEGÓCIO e a ZDB desenvolvem no apoio à criação, à produção e à apresentação de projectos artísticos é o estabelecimento de uma comunidade informal de criadores cujas interacções e partilhas fomentam cumplicidades e originam parcerias. Isso mesmo tem lugar nesta co-produção que o NEGÓCIO leva a cabo com Solange Freitas e cujo elenco é composto por elementos que, de algum modo, em alguma circunstância, fazem parte da referida comunidade que a ZDB também é. Partilham a sua criatividade e diálogo crítico para pôr em cena uma visão específica sobre um evento real, também ele atravessado por essa força intangível de que é feita a cumplicidade.

Este projecto é sobre o momento em que somos atingidos pelo que nos olha. Sobre o que tomamos como visível e invisível. O que escolhemos olhar e o que recusamos? A criação tem como ponto de partida a expressão “baseado em factos verídicos”, largamente utilizada na produção cinematográfica. Quando contamos uma história, está implícito que aquilo que dizemos, que os factos que descrevemos alegadamente aconteceram e as coisas são o que mostram ser, partindo desta premissa estamos num terreno perigoso do qual não podemos fugir. Real Dog é um campo minado, onde as fronteiras são invisíveis, lugar frágil entre nós e as imagens, onde as relações entre pessoas, objectos e lugares subvertem-se num piscar de olhos.

A pretensa veracidade dos factos é um terreno fértil onde todas as versões do mesmo são possíveis. Assim, toma-se como ponto de partida vários materiais, nomeadamente a história de três homens que assaltaram um banco nos anos setenta, cuja história gira em torno do carismático John Wojtowicz que deu origem ao filme “Dog Day Afternoon” de 1975, realizado por Sidney Lumet. O evento original, o assalto, tornou-se um espectáculo mediático. John Wojtowicz alegou que o motivo do assalto seria para dar o dinheiro ao seu amante para uma mudança de sexo. O assalto que durou catorze horas resultou na prisão de John, o mesmo acabou por conseguir o dinheiro que pretendia vendendo a história para a realização do filme de Sidney Lumet. O protagonista, numa entrevista, afirmou que bateu o sistema ao conseguir o valor que pretendia e também afirmou que o filme não correspondia totalmente à verdade e passou a usar o nome: “Dog”. Vinte e quadro anos depois, em 1999, o artista plástico Pierre Huyghe procurou John Wojtowicz para que o mesmo pudesse repor a verdade e deste modo criou a vídeo instalação “The Third Memory”.

A menção da expressão “baseado em factos verídicos” é extremada e a ficcionalização da vida do indivíduo torna-o actor de si mesmo, “onde o mentiroso mente a si mesmo” na procura de repor uma verdade que se perdeu na vertigem dos acontecimentos.

Apesar de tantos anos passados sobre o evento original e de diversos objectos artísticos por ele provocados, parece-nos pertinente usar como inspiração estes materiais baseados em factos verídicos para reflectir sobre a tensão entre poder e desejo e o impacto que tem nas nossas vidas e nas relações interpessoais.

Não é a história de John que aqui está em jogo ou que queremos contar, mas as histórias que contamos a nós próprios.

— Solange Freitas

Solange Freitas

Licenciatura em Actores e Encenadores na Escola Superior de Teatro e Cinema. Estudou Psicologia Clínica na Escola Superior de Psicologia Aplicada (ISPA). Actualmente frequenta o mestrado em Artes e Comunicação da Universidade Nova de Lisboa – FCSH. Criou, em colaboração com Catarina Vieira: Lá e Cá (2007) um dos vencedores do Projecto Jovens Artistas Jovens / CCB; Lá e Cá-rascunhos, Serralves em Festa; Lá e Cá – aparições no FIMP. Trabalhou com O Bando, no espectáculo Em Brasa. Espectáculo Poltrona -monólogo para uma mulher, de Cláudia Chéu, e nos filmes Retornos, de Luís Avilés e filme do Desassossego de João Botelho. Trabalhou com John Romão em Eu não sou bonita. Eu sou o Porcoapresentado no Citemor e Negócio. Colaborou como actriz e assistente de encenação, no espectáculo Violência de Cláudia Lucas Chéu. Criou os espectáculos em parceria com Catarina Vieira: Temporária, apresentado no Festival Temps d’Images/CCB; Fora de Jogo, apresentado no Festival Temps d’Images; O Festim – do fim das coisas nada sabemos, também em co-criação com Tiago Cadete no Festival Temps d’Images; Bugs apresentado no Festival Internacional de Teatro y Artes de Calle de Valladolid e no Rio de Janeiro. Assistência de encenação e produção de Teorema e Pocilga de John Romão. Direcção artística em parceria com Catarina Vieira do espectáculo Ex Machina apresentado no Festival Temps d`Images. Go Tell Fire To The Mountain; Festival Internacional de Teatro y Artes de Calle Valladolid. Em 2017 entrou no espectáculo Um libreto para ficarem em casa seus anormais, encenação de Albano Jerónimo e no espectáculo A Vida de John Smith de Mickael de Oliveira.

Próximos Eventos

aceito
Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.